sábado, 9 de março de 2013

Querido Diário - Parte 3

DESCOBERTAS

Minha mãe do jeito que é, nem percebeu que eu estava realmente deprimida, a única coisa que ela me perguntou é se estava bonita o suficiente, ela ia sair com o tal cara, tenho certeza.
A semana passou voando, o fim de semana chegou e eu agradeci por isso. As humilhações continuam, e eu sempre entro no site para ver o que o idiota anda postando e ser quer saber, piora a cada dia.
Eu e Joseph estamos nos dando ainda melhor do que eu esperava. Ele me passou seu telefone para que eu pudesse ligar a hora que quisesse. Ele também disse que iria me ajudar de todo jeito que eu precisasse.
 Acabei de acordar e são nove horas da manhã, é sábado e eu quero descansar, mas meus pensamentos ainda estão confusos tentando formular alguma coisa que ajude a descobrir o que e o porque do que realmente aconteceu essa semana.
Eu realmente queria que isso fosse um sonho, queria acordar e descobrir que eu ainda estou vivendo aquela vidinha de uma semana atrás. Sinto falta de toda noite sentar e escrever sobre mim, para mim. É estanho pensar que agora eu não posso mais fazer isso. A gaveta continua quebrada, a minha mãe viu e eu tive que invetar que perdi a chave e precisei quebra-la. Ela acreditou, do jeito que é sonsa.
Levantei da minha cama e fui em direção ao banheiro, lavei o meu rosto, escovei os dentes e dei um jeito no meu cabelo. Depois disso eu desci até a cozinha e agora estou pensando no que eu vou comer.
— Bom Dia. — Meu pai me cumprimentou.
— Oi pai, bom dia. Você quer? — Ofereci um sanduíche que eu estava fazendo.
— Não obrigado, tenho que sair, quando eu voltar faço alguma coisa pra eu comer. Tchau. — Ele me deu um beijo e saiu. Não perguntei aonde ele vai, não sei se ele iria responder e também não é problema meu.
O clima aqui em casa continua pesado e eu não tenho com quem conversar, posso explodir a qualquer hora.
Pronto! Quatro sanduíches igualmente lindos e com uma cara boa. Coloquei-os no prato, pequei meu suco e subi de volta ao meu quarto. Pus o prato e o copo em cima da escrivaninha, me sentei e abri o laptop. Se aquele viado anda postando coisas minhas porque eu não posso ler?

30 de maio de 2010
Querido Diário...

Hoje eu tive meu primeiro beijo.

Pronto, falei. Sempre pensei que beijo pudesse ser uma coisa boa. Quer dizer, é bom em si, mas foi bem nojento. Caiu babinha pelos cantos de nossas bocas e como eu não sei beijar tenho certeza que ele não gostou.
Espero que ele não saia caçoando de mim por ai. 


Que ótimo, agora vão saber que o meu primeiro beijo foi coberto de baba.
Ainda em baixo tem um PS.

PS: Se eu beijasse ela, morreria engasgado.

FILHO DA PUTA. VIADO. CRETINO.
Sabe qual é o pior disso? Não é nem a baba. É que eu escrevi tudo o que aconteceu comigo. Se esse alguém não me conhecia, agora com certeza conhece, e muito bem.
Me sobressaltei ao ouvir o meu celular tocar, é Joseph.
— Hey.
— Oi Demi.
— Aposto tudo que você já leu.
— É, eu li. Baba? Sério?
— Não foi uma experiencia muito agradável.
— Imagino. Mas, mudando de assunto, eu tive uma ideia que pode ajudar a descobrir quem é que anda fazendo isso.
— Uma ideia? Que ideia. — Perguntei desesperada, qualquer coisa serve. Se ele tem uma ideia eu vou ouvir.
— Vem aqui em casa que eu te explico direitinho e a gente já põe em pratica.
— Ta bom, já to chegando então.
— Ok, até logo.
— Até.
Desliguei meu telefone, peguei meu prato fiz uma viajem rápida a cozinha e voltei. Tomei um banho muito depressa, me troquei e sai.
Estou praticamente correndo, ele não mora longe, é a duas quadras daqui e mesmo assim eu to correndo. Que idiota eu. Cheguei quase colocando as tripas pra fora. Bati na porta e ele atendeu logo em seguida.
— Oi.
— Oi. — Eu to tentando recuperar a minha respiração, to ofegando muito.
— Tava correndo é? — Perguntou ele divertido.
— Tava.
— Isso que é pressa hein. Entra. — Ele fez sinal para passar e eu entrei. Nunca tinha visitado a sua casa e é realmente linda. Tem cores claras, tudo no seu devido lugar. Tudo isso se deve a sua mãe é claro, ele não tem a cara e nem o tipo de que é muito organizado.
Ele me conduziu a uma grande escada circular que dava para o andar de cima, fui subindo e ao chegar lá em cima dou de cara com um longo corredor. A porta do quarto dele é a primeira a direita. E sim, eu estava enganada, ele é muito arrumadinho. Tudo no seu lugar. Palmas para ele.
Me sentei na sua cama e esperei até que ele voltasse, tinha saído para pegar uns biscoitos que ele insistiu que eu aceitasse.
A volta, ele sentou em uma cadeira, comendo os biscoitos, peguei uns dois e só, já estou cheia e não to afim de engordar.
— Então, que ideia é essa que você tem? — Perguntei esperançosa.
— É o seguinte. Eu modéstia a parte sou muito bom com computadores. E tive a ideia de rastrear o IP da pessoa que esta postando isso.
— IP?
— É um número de identificação, se a gente conseguir rastrear, vamos saber aonde essa pessoa esta e que computador ela usou para isso.
— Entendi. Vamos ver isso então?
— Vamos.
Peguei uma cadeira que estava a um canto e me sentei do seu lado em frente ao computador dele.
Eu não estou entendendo nadinha do que ele está fazendo, é umas telas e coisas estranhas que ele escreve e eu só estou observando. Cansei de ficar só olhando vou deitar na cama dele e ficar jogando alguma coisa no meu celular.
Uma hora se passou quando ele anunciou que tinha conseguido.
— Achei!
Tamanha é a minha vontade de ver quem é o desgraçado que eu derrubei o celular que caiu em cheio no meu rosto. Ta doendo, tenho até que mexer pouco, ai que dor.
Aposto que o Joseph esta se rachando de rir, só escuto ele no quarto. Bobão.
Me sentei ao seu lado e depois de se recompor ele começou:
— Se eu fiz direito, essas postagens estão vindo daqui mesmo de New Jersey.
— Mas aonde exatamente?
— Daqui.— Ele apontou para um pontinho no mapa.
— Isso é um hotel não é? — Perguntei. Estou em duvida se é um hotel ou uma cafeteria.
— É uma cafeteria.
— Mas espera, você disse que é possível rastrear. Certo, você fez isso. Mas, por exemplo se você rastreasse o meu laptop e de repente eu faço uma viajem para outro estado. Esse pontinho continua marcando o meu laptop a qualquer lugar que eu vá? Você poderia me achar em qualquer lugar?
— Poderia com certeza.
— Espera, se esse pontinho ainda esta lá, quer dizer que a pessoa também deve estar, a gente pode acha-la.
— Isso! Vamos até lá.
Meu coração esta acelerado, espero que eu consiga encontrar. Por favor Deus me ajude, por favor.
O Joseph lindo e maravilhoso tem um carro e graças a ele chegamos bem rápido no local. Desci do carro com uma meia tremedeira, estou bem nervosa.
— Você ta bem? — Joseph me perguntou. Ai fofo.
— To bem sim, obrigada. — To nada meu filho.
— Vem.
Ele me conduziu até a porta, entramos. Observei tudo e não achei ninguém que estava usando um laptop ou um computador de mesa qualquer.
Joseph fez um esquema em que ele pode observar o pequeno ponto vermelho que no momento ainda estava marcando exatamente onde estamos.
— Você fala.
— Ta.
Ele foi até o balcão onde uma garota estava lavando uns copos.
— Com licença.
— Como posso ajuda-lo? — A mocinha perguntou.
Ele pigarreou e continuou:
— Eu sei que vocês devem ter um critério para com seus clientes, mas eu preciso de um informação, é muito importante.
— Tudo bem, diga.
— Vocês tem algum cliente que vem regularmente aqui?
— Temos vários clientes que estão aqui todos os dias.
— O que eu quero dizer é se tem algum que sempre usa um laptop talvez.
— Muitos dos nossos clientes usam seus computadores aqui.
— Mas especificamente, hoje um pouco mais cedo, por volta das oito horas, algum cliente fez o uso de um computador?
— Sim, teve sim. Aqui nos sempre temos um laptop reserva. As vezes as pessoas precisam de um uso e emprestamos.
— O computador é daqui, de vocês?
— É sim senhor, porque, precisa dele?
— Não, mas sabe me dizer se era um homem talvez, uma mulher?
— Uma garota. Não deve ter mais do que dezoito anos.
— A senhora poderia me descrever ela?
— Ah, ai não senhor, já estou desobedecendo as regras. Não posso.
— Por favor moça, só uma descrição, é muito importante. Entendo a ética de vocês, mas se não fosse necessário não estaria aqui.
— Ela tem os cabelo pretos, é alta, magra, tem um lado da face com cicatrizes. Como se estivesse queimada. Acho que é isso.
— Ta, muito obrigado pela informação, bom dia.
Então quer dizer que alguém vem aqui usar o computador, uma garota, com o rosto queimado. Quem será?
Entramos no carro e estamos voltando para a casa de Joseph. Estou tentando formular alguma coisa que ajude, mas não esta dando certo.
— Uma garota com o rosto queimado, alta, magra, cabelos pretos. — Disse baixinho no carro.
— Conhece alguém assim?
— Não faço a minima ideia. A descrição não bate com ninguém que eu conheço. — Bufei irritada. Que ódio.
"Espera! Tem sim uma pessoa, mas não pode ser. Charlie se encaixa perfeitamente nessa descrição, fora o rosto queimado, ela é bem assim, do jeito que a moça falou. Queimado, rosto queimado. O acidente, o carro pegou fogo. Mas..."

~Flashback~

Acordei com uma dor horrível na cabeça. Meu corpo esta cansado. Minhas costas então, nem se fala.
— Pai?
— Demi, o minha filha. Como você esta se sentindo?
— Mal, muito mal. Cadê a Charlie pai?
— Ela...
— Pode falar.— Já estou pensando no pior, mas não quero acreditar.
— Ela esta na sessão de queimados do hospital.
— Sessão de queimados. O que ela... Aonde?
— Ela ficará bem minha menina, descanse.
— E os pais dela?
— Morreram no local.
— Morreram? Pai... — Senti meu rosto umedecer, não posso acreditar, mortos.

...

Me senti muito melhor e fui visitar a Charlie na ala em que ela esta. O rosto dela queimou quase totalmente do lado esquerdo. Não quero nem ver a reação dela quando ver isso. Ela é muito perfectionista  Mas no momento isso não importa. Rezo todos os dias pela minha amiga, na esperança de que ela melhore.

~Flashback~

— Demi, você disse que ela esta morta. Disse que foi no enterro e tudo.
— Mas no velório eu não pude ver o rosto dela, o caixão estava fechado.
— Para de pensar nisso. Me desculpe falar assim, mas ela esta morta.
— E se não estiver?

CONTINUA...

11 comentários:

  1. olha que songa monga safada fazendo isso com a Deminhaaa rum...
    Mais o lado bom e que Jemi está bem juntinhoo
    Bjus

    ResponderExcluir
  2. OHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH o menina não está morta? porque ela roubou aquilo da demi *u* Oh meu deus.

    ResponderExcluir
  3. FERROU!
    Quem é essa Charlie? Só pode ser ela... Que safada!
    Por que ela pegou os diarios?
    Sorry não comentar no proximo...
    Posta logooooooooooo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso você vai saber mais pra frente.
      Tem problema não amor, postei.

      Excluir
  4. Comecei a ler essa fic hoje e já viciei! Posta logo o próximo *---*
    Acho que essa Charlie foi tudo menos enterrada =/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente me deixa feliz que esteja gostando.
      Será?
      Postei.

      Excluir
  5. Sò eu q tô imaginando essa Charlie igual a Selena???

    ResponderExcluir